Carta de assinatura à ONU e à OIC sobre os direitos humanos das mulheres no Afeganistão

Por favor, considere fazer com que sua organização religiosa ou humanitária assine esta carta em resposta ao impacto devastador das recentes proibições do ensino superior feminino e do trabalho feminino no Afeganistão como avaliados por doadores que fazem parte da equipe humanitária afegã e do Afeganistão Grupo Consultivo de Mulheres da Equipe Humanitária do País (HCT)Por favor, circule!

Carta de assinatura à ONU e à OIC sobre os direitos humanos das mulheres no Afeganistão

Saudações. Esta carta é uma resposta ao impacto devastador das recentes proibições do ensino superior feminino e do trabalho feminino no Afeganistão, conforme avaliado por doadores incluídos na Equipe Humanitária Nacional local e no Grupo Consultivo de Mulheres do Afeganistão, a Equipe Humanitária Nacional (HCT). Religiões pela Paz e The Interfaith Center de Nova York estão recebendo esta carta com outras ONGs religiosas e humanitárias antes das reuniões de alto nível entre funcionários da ONU e o Talibã ou “autoridades de fato”. Também reconhecemos que a Organização de Cooperação Islâmica e outras organizações muçulmanas estão excepcionalmente bem equipadas para exercer sua autoridade moral em relação a esta questão crítica.

Clique aqui para assinar!

Para: Excelências,
Sr. Antonio Guterres, Secretário-Geral, Nações Unidas,
Sra. Amina Mohammed, Secretária-Geral Adjunta, Nações Unidas,
Sra. Sima Bahous, Subsecretária-Geral e Diretora Executiva, ONU Mulheres,
Sra. Roza Isakovna Otunbayeva, Representante Especial do Secretário-Geral para o Afeganistão e Chefe da Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (UNAMA)
Sr. Ramiz Alakbarov, Representante Especial Adjunto do Secretário-Geral, Residente e Coordenador Humanitário,
Markus Potzel, Representante Especial Adjunto do Secretário-Geral (Político),
Sr. Hissein Brahim Taha, Secretário-Geral da Organização de Cooperação Islâmica (OIC),

Nós, membros da sociedade civil abaixo assinados (incluindo organizações e atores religiosos), notamos com grande preocupação os desenvolvimentos em todo o mundo que apontam para uma regressão calamitosa nos direitos humanos de muitos indivíduos e grupos, ao mesmo tempo em que nosso planeta enfrenta problemas de vida. desafios ameaçadores.

Em particular, estamos profundamente preocupados com os últimos desenvolvimentos no Afeganistão, onde a proibição do ensino superior foi reafirmada e anunciada em 20 de dezembro de 2022 [1] e em 24 de dezembro de 2022 a proibição de mulheres trabalharem em ONGs e ONGIs foi anunciada com consequências terríveis. Podemos esperar ver ameaças tanto à situação humanitária quanto aos direitos humanos de toda a população afegã, e sabemos que essas ações têm implicações para o resto do mundo.
Estamos escrevendo para fazer a você, na qualidade de organizações intergovernamentais líderes e, portanto, como portadores do bem-estar, direitos, deveres e obrigações para servir nosso mundo interconectado, as seguintes perguntas:

Aos Funcionários das Nações Unidas:

  • Você compartilhou seus dados sobre o número de famílias chefiadas por mulheres no Afeganistão com o governo do Talibã?
  • Quais são suas previsões sobre o impacto financeiro da proibição de mulheres trabalharem no Afeganistão e como essa proibição afetaria os lares atualmente chefiados por mulheres que são as únicas assalariadas, incluindo qual seria seu impacto na situação dos meninos afegãos? Quantos meninos e meninas vivem em lares que não teriam um assalariado?
  • Quais são suas projeções para o impacto na saúde financeira e econômica geral da nação afegã quando as mulheres não puderem mais obter uma renda de seu serviço público?
  • Você está interagindo com líderes comunitários do sexo masculino no país? Eles estão apoiando unanimemente o Talibã nesta decisão?

À Organização de Cooperação Islâmica:

  • Esta decisão está sendo apresentada pelas autoridades de fato no Afeganistão como consoante com as normas e valores islâmicos. A Organização de Cooperação Islâmica mantém o mesmo entendimento dos textos e tradições muçulmanas?
    Se a OIC o fizer, devemos esperar que todos os países de maioria muçulmana, incluindo alguns dos mais populosos, como a Indonésia, bem como a Arábia Saudita (o Protetor das Duas Cidades Sagradas), emitam éditos semelhantes proibindo suas mulheres de servir suas comunidades e nações?
  • Se a OIC não concorda com isso, o que a OIC – com seus 56 Estados Membros, todos eles também membros das Nações Unidas – está fazendo sobre essa situação?
  • Fazemos essas perguntas a vocês, nossas instituições intergovernamentais e multilaterais, porque, como cidadãos deste mundo, cada um de nós está trabalhando para atender às necessidades de nossos sistemas de vida interconectados e podemos fazer esse trabalho melhor com respostas a essas perguntas.

Obrigado por suas respostas, que ajudarão a história a documentar como suas estimadas organizações, representando todos os nossos governos, continuam a honrar as obrigações básicas em relação ao bem-estar humano, nos tempos mais difíceis que a humanidade enfrenta.

Signatários Atuais

*A partir de 6 de janeiro de 2023 (1h)

Nome e SobrenomesOrganização, Congregação ou outra AfiliaçãoCargo ou Título, se houverEstou assinando em nome da minha organização
Chloé BreyerThe Interfaith Center de Nova YorkDiretora Executiva
Betty ReardonInstituto Internacional de Educação para a PazFundadorSim
AZZA KARAM.Religiões pela pazSecretária-Geral
Medeia BenjamimCODEPINKco-fundador
Jamila AfegãSeção WILPF AfeganistãoPresidente
Najiba RahmaniAWPFOCoordenador de Advocacia
Ruth MessingerAJWSEmbaixador Global
Negina YariAfegãos 4 AmanhãDiretor Executivo
Tony JenkinsCampanha Global pela Educação para a PazCoordenadorSim
Patrícia KennerMuseu da Herança Judaica - Um Memorial Vivo do HolocaustoAdministradorNão
Abdul Malik MujahidFundação Sound VisionPresidenteSim
Hardayal SinghSIKHS UNIDODiretorSim
Margarida KhanIniciativa Islâmica Feminina em Espiritualidade e IgualdadeFundador, Diretor ExecutivoSim
Burton VisotzkySeminário Teológico JudaicoDiretor, Milstein Center for Interreligious DialogueSim
Adem CarrollJustiça para todosDiretor de Programas da ONUNão
Zafar Ahmad Abdul GaniOrganização dos Direitos Humanos dos Rohingyas Étnicos de Mianmar na Malásia (MERHROM)PresidenteSim
Sande HartSARAH A Aliança Espiritual e Religiosa pela EsperançaPresidenteSim
Rahmsni najibaWilpf AfeganistãoSim
Mahfuza FoladJustiça para toda a organizaçãodiretor-executivoSim
Wahida SalaamDanner Afeganistão Organização de Empoderamento das Mulheres-DAWEODiretorSim
Janet Palafox ibvmInstituto da Bem-Aventurada Virgem Maria – Loreto GeneralatoRepresentante de ONG na ONUSim
Toorpekai MomandWILPF AfeganistãoVice-PresidenteNão
Amina AhmadyMovimento de mulheres líderes do AfeganistãoFundadorSim
Mahfuza FoladJustiça para toda a organizaçãoDiretora ExecutivaSim
Sima RasuliOrganizações de Arman BasharatDiretorSim
Fadi DaouGloboéticaDiretora ExecutivaSim
Dália AlmokdadConsultorNão
Nedzad GrabusGabinete do Mufti de SarajevoMufti de SarajevoSim
Filipe LeeAssociação Mundial para a Comunicação CristãSecretário GeralSim
Parvaneh GhorbaniSuporte de mídia internacional
Marc Antoine ZabbalUniversidade Americana de ChipreReitorSim
Teodorina LessidrenskaE3ColaborativeParceiroSim
Teodorina Lessidrenskae3colaborativeparceiroNão
Muhammad Ijaz NooriConselho de Bem-Estar Social e Direitos Humanos do PaquistãoPresidenteSim
Durstyne Farnan, OPConferência de Liderança DominicanaRepresentante da ONUNão
Elizabeth BegleyPax ChristiNão
Maria DennisPax Christi InternationalAssessor SéniorNão
Maria T. YelenickPax Christi InternationalPrincipal representante da ONGNão
Michelle LoiselCompanhia das Filhas da Caridade de São Vicente de PauloRepresentante de ONGSim
Carol RittnerEstados UnidosNão
Heela YoonOrganização dos Embaixadores da Juventude Afegã para a PazFundador / CEOSim
Fazlun KhalidFundação Islâmica para Ecologia e Ciências AmbientaisFundadorSim
Grove HarrisTemplo do EntendimentoDiretor de Advocacia GlobalSim
AniqaRede Comunitária MuçulmanaDiretora ExecutivaSim

 

Junte-se à Campanha e ajude-nos a #SpreadPeaceEd!
Por favor me envie e-mails:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao Topo