Governo da Nigéria é instado a incluir os direitos humanos no currículo educacional

Governo da Nigéria é instado a incluir os direitos humanos no currículo educacional

Por Charity Simon

(Artigo original: A União. 29 de julho de 2016)

O Governo Federal foi aconselhado a integrar o treinamento em direitos humanos ao currículo nacional de educação nos níveis médio e superior, especialmente nas faculdades de polícia e instituições de treinamento de outras agências de segurança e da Escola de Direito.

Esta é uma das recomendações dos participantes em um workshop de uma semana de sensibilização e treinamento de treinadores sobre direitos humanos para a Força Policial da Nigéria, membros da Ordem dos Advogados da Nigéria, a Sociedade Civil, o Judiciário e outras partes interessadas no Setor da Justiça realizada em Calabar, estado de Cross River.

Uma declaração da Pessoa Focal da Oficina para a Mídia, Abdulkadir Ahmed Ibrahim, disse que os participantes também sugeriram treinamento em direitos humanos para a classe política, o judiciário, líderes tradicionais e comunitários, a alta hierarquia da polícia e de outros agentes de segurança.

Os participantes apelaram a todas as partes interessadas no setor da justiça para evitarem atrasos no processo de entrega da justiça criminal com as implicações de custos econômicos e sociais para o estado e o detido provisório e sua família e para um impacto mais positivo sobre o proporção e população de pessoas que aguardam julgamento nas prisões.

O workshop convocou uma orientação em massa do público sobre patriotismo, disciplina, respeito às autoridades, boa vizinhança, coexistência pacífica e adesão ao Estado de Direito.

Outras resoluções acordadas pelos participantes incluem um conselho aos oficiais e homens da Força Policial Nigeriana para proteger e tratar todos os cidadãos igualmente, sem discriminação de gênero, raça, cor, idioma, religião, opinião, origem social ou classe, origem nacional ou étnica, nascimento ou outro status.

Os participantes do workshop argumentaram então que os oficiais e homens da força policial também são seres humanos e têm direito a todos os direitos inerentes a outros seres humanos e que as autoridades envolvidas deveriam melhorar o financiamento da força, particularmente o fornecimento de materiais de trabalho adequados e eficazes e outras logísticas e salvaguardar os seus direitos com boas condições de serviço, pensão e seguros.

O workshop de uma semana organizado pela Força Policial Nigeriana e coordenado pela Ação de Reabilitação e Bem-Estar de Presos (PRAWA) com o apoio da Corporação Alemã para Cooperação Internacional (GIZ), o Departamento Federal de Relações Exteriores (FDFA) do governo suíço e o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) contou com a presença de mais de cem participantes, incluindo dois Inspetores Gerais Adjuntos da Polícia, DIG Emmanuel Inyang (Treinamento e Desenvolvimento) e DIG Hyacinth Dagala (Inteligência e Investigação).

(Vá para o artigo original)

Seja o primeiro a comentar

Participe da discussão ...