A fonte e a comunidade mais procuradas por notícias, opiniões, pesquisas, políticas, recursos, programas e eventos de educação para a paz em todo o mundo

A Campanha Global pela Educação para a Paz (GCPE) é uma rede não formal e internacional organizada que promove a educação para a paz entre escolas, famílias e comunidades para transformar a cultura da violência em uma cultura da paz.

O site e as comunicações eletrônicas do GCPE fornecem cobertura de educação para a paz em todo o mundo, incluindo artigos originais, pesquisas e histórias cultivadas em jornais e fontes independentes e da mídia de massa. Nós encorajamos especialmente envios de artigos e eventos de nossos membros.

Noções básicas de campanha

Informações gerais

Metas de campanha

A Campanha Global pela Educação para a Paz busca promover uma cultura de paz em comunidades ao redor do mundo. Tem dois objetivos:

  1. Primeiro, para criar consciência pública e apoio político para a introdução da educação para a paz em todas as esferas da educação, incluindo a educação não formal, em todas as escolas do mundo.
  2. Em segundo lugar, promover a educação de todos os professores para ensinar pela paz.
Declaração da campanha

Uma cultura de paz será alcançada quando os cidadãos do mundo compreenderem os problemas globais; ter as habilidades para resolver conflitos de forma construtiva; conhecer e viver de acordo com os padrões internacionais de direitos humanos, igualdade de gênero e raça; valorizar a diversidade cultural; e respeitar a integridade da Terra. Essa aprendizagem não pode ser alcançada sem uma educação intencional, sustentada e sistemática para a paz.

A urgência e a necessidade de tal educação foram reconhecidas pelos estados membros da UNESCO em 1974 e reafirmadas no Marco Integrado de Ação sobre Educação para a Paz, Direitos Humanos e Democracia em 1995. Ainda assim, poucas instituições educacionais empreenderam tal ação. É hora de apelar aos ministérios da educação, instituições educacionais e formuladores de políticas para cumprir os compromissos.

Uma campanha para facilitar a introdução da educação para a paz e os direitos humanos em todas as instituições educacionais foi convocada pela Conferência da Sociedade Civil de Apelo à Paz de Haia em maio de 1999. Uma iniciativa de educadores individuais e ONGs educacionais comprometidas com a paz, é conduzida por meio de um programa global rede de associações de educação e forças-tarefa regionais, nacionais e locais de cidadãos e educadores que farão lobby e informarão os ministérios da educação e instituições de formação de professores sobre o Marco da UNESCO e a multiplicidade de métodos e materiais que agora existem para praticar a educação para a paz em todas as aprendizagens ambientes. O objetivo da campanha é assegurar que todos os sistemas educacionais em todo o mundo irão educar para uma cultura de paz.

Formulário de Campanha

A Campanha é uma rede não formal composta por educadores e organizações formais e não formais, cada um trabalhando em sua própria maneira de abordar os objetivos acima.

Este formulário permite que os participantes da campanha concentrem suas energias no cumprimento dos objetivos e necessidades de seus constituintes - ao mesmo tempo que promove e torna visível a crescente rede global de educadores que trabalham pela paz.

A Campanha ajuda a conectar educadores e facilita a troca de ideias, estratégias e melhores práticas por meio de seu site e newsletters.

Endossos

Endossantes originais
  • Associação Internacional de Cidades Educadoras
  • Associação Internacional de Educadores pela Paz
  • Associação Internacional de Educadores pela Paz Mundial
  • Bureau Internacional da Paz
  • Professor internacional
  • Cooperação Internacional de Jovens (Haia)
  • Valores Vivos: Um Programa Educacional
  • Mandate the Future / Worldview International Foundation (Colombo)
  • Associação de Mulheres Pan-Pacífico e do Sudeste Asiático
  • Barco da paz
  • Pax Christi International
  • Peace Child International
  • Comissão de Educação para a Paz
  • Associação Internacional de Pesquisa para a Paz
  • UNICEF
  • Alto Comissário das Nações Unidas para Refugiados
  • Juventude por um Mundo Melhor Internacional
Organizações Nacionais e Locais
  • Apresentações do primeiro ato (EUA)
  • ActionAid Gana
  • Todos os Conselhos de Paz e Amizade do Paquistão (All Pakistan Youth Wing)
  • Anistia Nepal, Grupo-81
  • Fundação Aotearoa-Nova Zelândia para Estudos para a Paz
  • ASEPaix, Association Suisse des Educateurs à la Paix (Suíça)
  • ASHTA NO KAI (Índia)
  • Asociacion Respuesta (Argentina)
  • Associação de Jovens Amigos do Azerbaijão da Europa
  • Assumption College (Filipinas)
  • Conscientização Um (Nigéria)
  • Centro de Desenvolvimento e Mulheres do Azerbaijão
  • Big Brothers Big Sisters - Kerryville (EUA)
  • Buddha's Light Universal Welfare Society (BLUWS) (Bangladesh)
  • Aliança Canadense pelos Direitos da Criança e da Criança (CAYCR)
  • Centros canadenses de ensino da paz
  • Instituto Internacional Canadense de Negociações Aplicadas
  • CEAL- Ciudardes Educadoras America Latina (Argentina)
  • CEDEM-Centre d'Education et de Developpement pour les Enfants Mauriciens (Maurício)
  • Centro de Estudos de Globalização, Universidade BK (Sérvia, FR Iugoslávia)
  • Centro de Direitos Humanos e Estudos para a Paz (CRPS) (Filipinas)
  • Centro de Educação para a Paz, Miriam College (Filipinas)
  • Centro pela Paz, Justiça e Integridade da Criação (Filipinas)
  • Centro para o Estudo do Perdão e Reconciliação (Reino Unido)
  • Centro para o Estudo da Paz (Irlanda)
  • CETAL- Rede Cultura de Paz (Suécia)
  • CEYPA-Programa de Educação Cívica para Jovens na Albânia
  • Sociedade pelos direitos da criança e da mulher (Bangladesh)
  • Crianças e Paz Filipinas Capítulo JMD
  • Escola City Montessori (CMS, Índia)
  • Concord Video and Film Council (Reino Unido)
  • Juventude Preocupada pela Paz (CONYOPA, Serra Leoa)
  • Escolas Canossianas nas Filipinas
  • Organização Cosananig (Nigéria)
  • Resposta Criativa ao Conflito (EUA)
  • Fundação Cultura pela Paz (Espanha)
  • CRAGI, Resolução de Conflitos e Interdependência Global (EUA)
  • [email protegido] Sarajevo - Associação para a Educação para a Paz
  • Développement Rural par la Protection de l'Environnement et Artisanat (Camarões)
  • DBEAP da Associação Educacional Dom Bosco das Filipinas
  • Instituto de Educação para a Paz dos Balcãs (Bósnia-Herzegovina)
  • Projeto Educação para a Paz (Landegg International University, Suíça)
  • Educadores para a Paz (Brasil)
  • Instituto Eleitoral do Sul. África
  • Coalizão Elimu Yetu - Quênia
  • Programa de Resolução Criativa de Conflitos do Centro Nacional ESR (EUA)
  • Fundação para a Paz e o Desenvolvimento (Gana)
  • Fundacio per la Pau (Espanha)
  • Fundación Casa De La Juventud (Paraguai)
  • Fundacion Gamma Idear (Colômbia)
  • Global Harmony Foundation (Suíça)
  • Helplife Foundation (Gana)
  • Grupa “Hajde Da…” (Centro Juvenil de Belgrado para o Desenvolvimento da Tolerância e da Paz)
  • Reabilitação Baseada na Comunidade da Fundação GUU (Uganda)
  • Movimento Halley (Maurício)
  • Hessisches Landesinstitut für Pädagogik (Alemanha)
  • Comitê de Direitos Humanos (Sérvia)
  • Academia de Educação em Direitos Humanos do Nepal
  • Programa de Educação em Direitos Humanos (Paquistão)
  • Human Rights Eye & Education Centre (HREEC, Camarões)
  • Centro Iligan de Educação e Pesquisa para a Paz (Filipinas)
  • Instituto Indiano para a Paz, Desarmamento e Proteção Ambiental
  • Instituto de Síntese Planetária (Espanha)
  • Centro Internacional de Educação em Turismo Holístico-IHTEC (Canadá)
  • Missão Internacional pela Paz (Serra Leoa)
  • International Peace Research Association (Japão)
  • International Youth Link Foundation (Gana)
  • Parlamento Internacional da Juventude / Oxfam Austrália
  • Sociedade Internacional de Valores Humanos (Suíça)
  • Instituto de Paz e Justiça (EUA)
  • Instituto de Educação e Paz (Grécia)
  • Jane Addams 'Peace Association Inc (EUA)
  • Jigyansu Tribal Research Center (Índia)
  • Associação Juvenil Khmer (Phnom Penh)
  • Kids Meeting Kids (EUA)
  • Landegg International University (Suíça)
  • League In Friendship Endeavour (Índia)
  • Aprendizagem e Desenvolvimento (Quênia)
  • Centro Universitário Libanês-Americano para Educação em Paz e Justiça
  • Mandate the Future (Sri Lanka)
  • Centros multiétnicos para crianças e jovens pela paz (MCYPC) (Kosovo, FR Iugoslávia)
  • Federação Nacional das Associações da UNESCO do Nepal
  • Narvik Peace Foundation (Noruega)
  • NDH-Camarões e Rede Africana de Democracia de Base
  • Instituto do Nepal para as Nações Unidas e UNESCO
  • Academia Nacional da UNESCO do Nepal
  • Rede de Cultura de Paz (CETAL) (Suécia)
  • Nova, Centro para la Innovacón (Espanha)
  • Escritório da Paz no Chifre da África OPIHA (Emirados Árabes Unidos / Somália)
  • Conselho de Reconciliação Pan-Africano (Nigéria)
  • Missão Parbatya Bouddha (Bangladesh)
  • Programa de Parcerias e Intercâmbios para o Desenvolvimento (Togo)
  • Pax Christi Flanders (Bélgica)
  • Pax Educare- The Connecticut Center for Peace Education
  • Paz y Cooperación (Espanha)
  • Peace 2000 Institute (Islândia)
  • Defensores da paz em Zamboanga (Filipinas)
  • Academia de Educação para a Paz do Nepal
  • Centro de Educação para a Paz (Estados Unidos)
  • Instituto de Educação para a Paz (Finlândia)
  • União de Compromissos de Paz (Reino Unido)
  • Projeto Paz África (África do Sul)
  • Centro de Pesquisa para a Paz (Camarões)
  • Peace Research Institute-Dundas (Canadá)
  • Sociedade de Soluções Pacíficas de Gana
  • Parlamento do Povo (Leskovac, Iugoslávia)
  • Rede Filipina de Ação sobre Armas Leves PHILANSA
  • Plowshare Center (EUA)
  • Proyecto 3er. Milenio (Argentina)
  • Quaker Peace and Service (Reino Unido)
  • Research Academica for Humanism and Jaiprithvi (RAFHAJ, Nepal)
  • Rights Works (EUA)
  • Escola Robert Muller (EUA)
  • Sakha Ukuthula (África do Sul)
  • Escola Pública Samaritana (Índia)
  • Salve o mundo (Nepal)
  • Seminario Galego de Educacion para a Paz (Espanha)
  • Serviço Civil Internacional-Serviço Voluntário Internacional (SCI-IVS EUA)
  • Significant Music (Canadá)
  • Sociedade para Reformas Democráticas (Azerbaijão)
  • Sociedade para o Desenvolvimento Humano (Bangladesh)
  • Centro de Apoio a Associações e Fundações (Bielo-Rússia)
  • Sociedade Sueca de Paz e Arbitragem
  • Oficina de Ensino para a Paz (Dinamarca)
  • Triratna Welfare Society (Bangaladesh)
  • Vientos del Sur (Argentina)
  • Associação das Nações Unidas da Nova Zelândia
  • Fundação das Nações Unidas para a Juventude (Holanda)
  • Unesco Etxea (Espanha)
  • Winpeace (Iniciativa Feminina pela Paz, Turquia)
  • Comissão Mundial para a Paz e o Conselho de Direitos Humanos (Paquistão)
  • World Voices (Reino Unido)
  • Abordagem Juvenil para Desenvolvimento e Cooperação (Bangladesh)
  • Jovens estudantes cristãos da Nigéria
  • Fórum Juvenil pela Paz e Justiça (YFPJ-Zâmbia

História e realizações

História

Fundado na Conferência de Apelo pela Paz de Haia em 1999.

A Campanha Global pela Educação para a Paz (GCPE) foi lançada na conferência Apelo pela Paz de Haia em maio de 1999.

Após a conferência, o Apelo de Haia pela Paz assumiu a responsabilidade de coordenar a Campanha. Desde então, tem sido coordenado pelo Barco da paz, pela Centro de Educação para a Paz na Teachers College Columbia University, Global Education Associates, a Academia Nacional da Paz e a Iniciativa de Educação para a Paz na Universidade de Toledo. Atualmente, o GCPE opera de forma independente.

Desde então, o GCPE surgiu como uma rede não formal e internacional organizada que promove a educação para a paz entre escolas, famílias e comunidades para transformar a cultura da violência em uma cultura da paz.

Realizações iniciais (1996-2004)

1996-2004

  • Esforço colaborativo (1996 - 1999) para reunir 10,000 indivíduos e organizações em Haia, Holanda, que lançou 12 campanhas em todo o mundo para promover alternativas não violentas à guerra
  • Estabeleceu um site que fornece
    • currículos de educação para a paz, traduções de currículos em várias línguas
    • canal de comunicação para rede internacional
  • Maior parceria para disseminar informações e recursos para mais de 15,000 pessoas
  • Manuais de treinamento de professores publicados, incluindo:
    • Aprendendo a abolir a guerra: ensinando para uma cultura de paz
    • Lições de paz de todo o mundo
    • Educação para a Paz e o Desarmamento: Mudando a mentalidade no Níger, Albânia, Peru e Camboja
  • Conferências anuais com educadores internacionais para a paz (2004 foi realizado em Tirana, Albânia)
  • Parceria com Ministérios da Educação na África, Ásia, Europa, Nova Zelândia e América do Sul
  • Formou um projeto de parceria única com o Departamento das Nações Unidas para Assuntos de Desarmamento para integrar programas de desarmamento e educação para a paz em ambientes formais e não formais da Albânia, Camboja, Níger e Peru, que foram adotados por cada um de seus Ministérios da Educação
  • Conduziu mais de 200 workshops e apresentações em salas de aula, comunidades, fóruns nacionais e internacionais.
Conferência de Apelo pela Paz de Haia

A Sociedade Civil realizou a maior conferência internacional de paz da história de 11 a 15 de maio de 1999, o centenário da Primeira Conferência de Paz de Haia em Haia, Holanda.

A conferência

Em 18 de maio de 1899; 108 delegados de 26 países se reuniram no belo Huis den Bosch, em Haia, em resposta a um convite feito em agosto anterior por Nicolau II, o jovem czar da Rússia, para realizar uma conferência internacional para discutir maneiras de deter a corrida armamentista.

A Sociedade Civil realizou a maior conferência internacional de paz da história de 11 a 15 de maio de 1999, o centenário da Primeira Conferência de Paz de Haia em Haia, Holanda. Quase 10,000 pessoas de mais de 100 países se reuniram no Centro de Congressos de Haia em resposta a um apelo lançado pelo International Peace Bureau (IPB), os Médicos Internacionais para a Prevenção da Guerra Nuclear (IPPNW), a Associação Internacional de Advogados Contra Armas Nucleares ( IALANA) e o Movimento Federalista Mundial (WFM). Durante o encontro de cinco dias, os participantes discutiram e debateram - em mais de 400 painéis e workshops - mecanismos para abolir a guerra e criar uma cultura de paz no século 21.

O projeto foi liderado por um Comitê Organizador formado por cerca de 30 organizações internacionais. O objetivo do Apelo de Haia pela Paz de 1999 foi levantar de forma séria e realista, se no final do século mais sangrento da história ”, a humanidade pode encontrar uma maneira de resolver seus problemas sem recorrer às armas, e a guerra ainda é necessária ou legítima, dada a natureza das armas atualmente em arsenais e pranchetas em todo o mundo, e a civilização pode sobreviver a outra grande guerra? ”

Os participantes incluíram centenas de líderes da sociedade civil e representantes de 80 governos e organizações internacionais - incluindo o secretário-geral da ONU Kofi Annan, os primeiros-ministros Sheikh Hasina de Bangladesh e Wim Kok da Holanda, a Rainha Noor da Jordânia, Arundhati Roy da Índia e ganhadores do Prêmio Nobel da Paz O Arcebispo Desmond Tutu da África do Sul, Rigoberta Menchú Tum da Guatemala, Jody Williams dos Estados Unidos, José Ramos Horta do Timor Leste e Joseph Rotblat do Reino Unido.

Visão da Conferência

Foi o pior dos séculos e o melhor dos séculos ...

Os últimos 99 anos testemunharam mais mortes e mortes brutais por guerra, fome e outras causas evitáveis ​​do que em qualquer outro período da história. Eles viram a terna chama da democracia ser apagada repetidamente por ditadores enlouquecidos, regimes militares e colossais lutas de poder internacionais. Eles viram o alargamento do abismo entre os favorecidos da terra e os miseráveis ​​da terra e a crescente insensibilidade dos primeiros para com os últimos.

Mas os anos também testemunharam o poder do povo de resistir e superar a opressão atual, bem como os preconceitos ancestrais de gênero contra gênero, raça contra raça, religião contra religião e grupo étnico contra grupo étnico. Esses anos testemunharam uma explosão de conhecimentos científicos e técnicos que tornam possível uma vida digna para todos os que habitam este planeta, a formulação de um conjunto de direitos universais que, se levados a sério, traduziriam essa possibilidade em realidade, e a infância de um sistema de governança global que, se permitido crescer, poderá orientar essa transição.

Nós, membros e representantes de organizações populares de muitas culturas e esferas da sociedade, cientes da dupla história deste século, fazemos o seguinte apelo para nós mesmos e para aqueles que professam nos liderar: À medida que a comunidade global entra no século 21, que este seja o primeiro século sem guerra. Vamos encontrar maneiras e implementar as formas já disponíveis para prevenir o conflito removendo suas causas, que incluem a distribuição desigual dos vastos recursos do mundo, a hostilidade das nações e de grupos dentro das nações uns para com os outros , e a presença de arsenais cada vez mais mortais de armas convencionais e armas de destruição em massa. Quando os conflitos surgirem, como acontecerão inevitavelmente apesar de nossos melhores esforços, vamos encontrar caminhos e implementar os meios já disponíveis para resolvê-los sem recorrer à violência. Vamos, em resumo, concluir o trabalho da Conferência de Paz realizada em Haia um século atrás, voltando à visão do desarmamento geral e completo que tremeluziu brevemente no cenário mundial após a última Guerra Mundial.

Isso exigirá novas estruturas para a paz e uma ordem jurídica internacional fundamentalmente fortalecida. Especificamente, vamos encontrar a vontade moral, espiritual e política de fazer o que nossos líderes sabem que deve ser feito, mas não podem levar a si mesmos para abolir as armas nucleares, minas terrestres e todas as outras armas incompatíveis com o direito humanitário, abolir o comércio de armas ou pelo menos reduzir em níveis compatíveis com a proibição de agressão consagrada na Carta das Nações Unidas; Fortalecer o direito humanitário e as instituições para o período de transição para um mundo sem guerra; Examinar as causas do conflito e desenvolver formas criativas de prevenir e resolver o conflito; e superar o colonialismo em todas as suas formas e usar os enormes recursos liberados pelo fim ou redução da corrida armamentista para a erradicação da pobreza; neocolonialismo; a nova escravidão; e o novo apartheid; pela preservação do meio ambiente; e pelos benefícios da paz e justiça para todos.

Na busca por esses objetivos, comprometemo-nos a dar os passos finais para abolir a guerra, para substituir a lei da força pela força da lei.

Discussão e ação

As discussões e ações foram motivadas pelos seguintes temas:

  • Fracasso das abordagens tradicionais
  • Segurança humana
  • Soft Power
  • Todos os direitos humanos para todos
  • Substituindo a Lei da Força pela Força da Lei
  • Tomando a iniciativa para fazer a paz
  • Globalização de baixo para cima
  • Tomada de decisão democrática internacional
  • Intervenção humanitária
  • Financiamento para a paz e privação de recursos para a guerra
Agenda de Haia para Paz e Justiça para o Século 21

A conferência lançou a Agenda de Haia para a Paz e Justiça para o Século 21, um conjunto de 50 recomendações para a abolição da guerra e a promoção da paz. A Agenda (Ref. ONU A / 54/98) foi formada a partir de um intenso processo democrático entre os membros dos Comitês Organizadores e Coordenadores do HAP e centenas de organizações e indivíduos. A Agenda representa o que as organizações da sociedade civil e os cidadãos consideram alguns dos desafios mais importantes que a humanidade enfrenta no século XXI. Ele destaca quatro vertentes principais:

  •  Causas raízes da guerra e cultura da paz
  •  Legislação e instituições internacionais humanitárias e de direitos humanos
  •  Prevenção, resolução e transformação de conflitos violentos
  • Desarmamento e Segurança Humana

Baixe a “Agenda de Haia”

Tirana Conference & Tirana Call

A chamada Tirana é um resultado significativo da conferência “Desenvolvendo a Democracia Através da Educação para a Paz: Educando para um Mundo Sem Violência”; realizada em Tirana, Albânia, em outubro de 2004.

A chamada é uma promessa para a integração da educação para a paz em todas as formas de educação e um compromisso com o Marco de Ação da UNESCO de 1995; a Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas; a Convenção sobre os Direitos da Criança; Resolução 1325 do Conselho de Segurança sobre Mulheres, Paz e Segurança; e a Agenda de Haia para Paz e Justiça para o Século XXI.

Foi endossado pelos Ministérios da Educação da Palestina, Peru, Níger, Serra Leoa e Camboja e Representantes das Nações Unidas, Embaixador Anwarul K. Chowdhury, Subsecretário-Geral e Alto Representante para os Países Menos Desenvolvidos, Países em Desenvolvimento Sem Litoral e Pequenas Ilhas em Desenvolvimento Estados; e Michael Cassandra do Departamento das Nações Unidas para Assuntos de Desarmamento.

A chamada Tirana para a Educação para a Paz

A Conferência Tirana

Caros apelantes de Haia,

Recentemente, concluímos uma conferência bem-sucedida em Tirana, Albânia, onde um grupo de educadores se reuniu com representantes dos ministérios da educação e lançou uma Chamada de Tirana para a Educação para a Paz, que se segue. Esperamos que você distribua isso aos seus colegas e publique-o.

A diversidade de conferencistas foi incrível. Tivemos jovens notáveis ​​que claramente farão parte da liderança onde quer que estejam no futuro; tínhamos pessoas governamentais e não governamentais, tínhamos a ONU representada, mulheres e homens, norte e sul, todos os continentes estavam representados, os melhores educadores formais e não formais e organizadores fantásticos. Reunimos as pessoas que participaram da Campanha Global pela Educação para a Paz com novas pessoas e com os quatro parceiros de nossa parceria única com o Departamento de Assuntos de Desarmamento da ONU. Agora temos novos amigos para continuar a trabalhar com os programas no Camboja, Peru, Níger e Albânia para que possam ser sustentados com recursos profissionais.

Encontre também discursos proferidos pelo subsecretário-geral Anwarul Chowdhury, Michael Cassandra do UN DDA, saudações da Prof. Betty Reardon, uma lista de participantes e uma mensagem minha.

Obrigado por seu interesse contínuo no trabalho do Apelo de Haia pela Paz e por sua própria contribuição para a paz neste mundo, que agora é de importância cada vez maior.

Atenciosamente,
Cora Weiss, presidente
Outubro 2004

Artigos e relatórios da conferência

A Nossa Equipa

TONY JENKINS, Coordenador Global
Tony Jenkins PhD tem mais de 18 anos de experiência dirigindo e projetando programas e projetos educacionais internacionais e de construção da paz e liderança no desenvolvimento internacional de estudos e educação para a paz. Tony é atualmente professor em tempo integral nos estudos de justiça e paz na Universidade de Georgetown. Desde 2001, ele atuou como Diretor Administrativo da Instituto Internacional de Educação para a Paz (IIPE) e desde 2007 como Coordenador da Campanha Global pela Educação para a Paz (GCPE). Profissionalmente, foi: Diretor de Educação, World BEYOND War (2016-2019); Diretor, Iniciativa de Educação para a Paz na Universidade de Toledo (2014-16); Vice-presidente para Assuntos Acadêmicos, National Peace Academy (2009-2014); e Co-Diretor, Centro de Educação para a Paz, Teachers College Columbia University (2001-2010). Em 2014-15, Tony atuou como membro do Grupo Consultivo de Especialistas da UNESCO em Educação para a Cidadania Global.
MICAELA SEGAL DE LA GARZA, Gerente de Projetos

mica

Micaela Segal de la Garza é uma educadora multilíngue que se concentra na educação para a paz e na comunicação. Mica gosta de dar aulas de espanhol em uma escola pública de ensino médio abrangente em Houston, onde ela atuou anteriormente como conselheira do corpo docente para a equipe e publicação do anuário administrado por alunos. Outras salas de aula incluem grandes espaços abertos, onde ela ensina crianças do ensino fundamental em um centro natural local, e a sala de aula global, onde ela coordena projetos com o Campanha Global pela Educação para a Paz. Ela é uma pessoa que estudou o mestrado em Estudos Internacionais de Paz, Conflito e Desenvolvimento na Universitat Jaume I na Espanha e concluiu seu curso de graduação, triplo-grande em Espanhol, Comunicação e Estudos Internacionais, na Trinity University em San Antonio, Texas. Ela continua seu aprendizado e constrói sua comunidade de aprendizagem com o Instituto Internacional de Educação para a Paz.

KEVIN KESTER, editor de resenhas de livros
Kevin Kester é Pesquisador Associado AHSS Newton na Faculdade de Educação da Universidade de Cambridge, onde atualmente está concluindo seu doutorado em construção da paz educacional nas Nações Unidas. Em outubro de 2016, ele iniciará sua bolsa de pós-doutorado na Faculdade de Educação e no Queens 'College, Cambridge, em pesquisas relacionadas à capacitação de profissionais da educação que trabalham com estudantes migrantes de ambientes afetados por guerras e traumas. Antes de seu PhD, Kevin foi Professor Assistente de Relações Internacionais e Estudos para a Paz na Hannam University em Daejeon, Coréia, e Professor Assistente Visitante de Assuntos Internacionais e Educação para o Desenvolvimento no Centro Asiático-Pacífico da Universidade da Paz das Nações Unidas em Seul. Kevin é publicado em várias revistas, incluindo o Journal of Peace Education; Journal of Transformative Education; Desenvolvimento; e Revisão de Paz e Conflitos; e ele é coautor (com Vandana Shiva) do “Manual da Iniciativa de Jovens Ecologistas: Planos de Aula para Construir a Democracia na Terra”.
OLIVER RIZZI CARLSON, Assoc. editor
Oliver Rizzi Carlson possui um MA em Educação para a Paz pela Universidade para a Paz, mandatada pelas Nações Unidas (UPEACE). Ele facilita espaços de aprendizagem com jovens sobre cultura de paz e infraestruturas para a paz, e é Representante na ONU para a Rede Unida de Jovens Construtores da Paz (UNOY Peacebuilders). Membro da Equipe de Jovens que preparou o Relatório Mundial da Sociedade Civil no final da Década das Nações Unidas para uma Cultura de Paz, Oliver também é um membro ativo da Aliança Global para Ministérios e Infraestruturas para a Paz (GAMIP).

5 Comentários

  1. Eu quis estabelecer uma Universidade Canadense da Paz por metade da minha vida, trabalhei duro nisso por cerca de 10 anos e, exceto pelo poder do dinheiro, teria feito isso há muito tempo.
    (Seu link acima, “envios de artigos e eventos” não está conectando).

  2. Olá, Janet Hudgins ... Lamento saber de suas lutas para estabelecer uma Universidade Canadense pela Paz. Você está familiarizado com a Associação de Estudos sobre Paz e Conflitos do Canadá (PACS-Can)? https://pacscan.ca/en/home/.

    Obrigado também pela nota sobre o link quebrado. Agora está consertado.

  3. Olá, Meu trabalho diário é gerenciamento de projetos de engenharia e construção, e muito do meu interesse pessoal (pesquisa independente) é sobre os aspectos matemáticos de formação de equipes e gerenciamento de projetos em geral. Na área dos acordos de contratos sociais (contratação), existem ideias e abordagens para a chamada resolução de conflitos. Estarei estudando The Image, de K. Boulding (enquanto também estou lendo a crítica de Tony sobre esse trabalho). Eu gostaria de ouvir de você ou você é bem-vindo da mesma forma. Estou enviando esta nota depois de ver a nota de rodapé 13 da resenha de Tony de The Image. Atenciosamente, Ali

  4. Eu sou Donato, do distrito de Tororo, leste de Uganda, trabalho com uma organização de base comunitária liderada por mulheres chamada ARDOC Projeto Mãe Solteira de Uganda. Nós capacitamos e apoiamos mulheres e jovens vulneráveis ​​rurais por meio de treinamento de construção da paz, treinamento de liderança e programas de treinamento de habilidades vocacionais para transformar a vida deles.
    Gostaríamos de fazer parte desta organização / associação.
    Nosso email é [email protegido]
    Página do Facebook. “ARDOC mães solteiras projeto Uganda”

Participe da discussão ...